Foragido que se passava por policial para aplicar golpes no AM é preso com documentos falsos

0
284

Um foragido do sistema prisional do Amazonas foi preso em flagrante com doversos documentos de identificação falsificados da Polícia Federal, do Exército e da Polícia Civil. A suspeita é que José Airton de Andrade Pinheiro, de 48 anos, usava os documentos para aplicar golpes.

O homem é suspeito de falsidade ideológica, falsificação de documento público, uso de documento falso e falsa identidade. Ele fugiu do regime fechado do Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj) desde 2015, onde cumpria pena por roubo.

Homem apresentou nome falso durante abordagem policial (Foto: Adneison Severiano/G1 AM)MAIS

Segundo o delegado Marcos Paulo Graciano, titular do 15° Distrito Integrado de Polícia (DIP), a equipe de investigação recebeu uma denúncia com a localização do presidiário e foi cumprir o mandado de prisão.

Por volta das 17h, o foragido foi encontrado na casa onde morava na rua Creta, bairro Nova Cidade, na Zona Norte.

Documentos falsos da Polícia Federal, Polícia Civil e do Exército foram apreendidos com o homem (Foto: Adneison Severiano/G1 AM) Documentos falsos da Polícia Federal, Polícia Civil e do Exército foram apreendidos com o homem (Foto: Adneison Severiano/G1 AM)
Documentos falsos da Polícia Federal, Polícia Civil e do Exército foram apreendidos com o homem (Foto: Adneison Severiano/G1 AM)

“Chegando lá ele se apresentou com outro nome de Wesley Andrade Pinheiro, inclusive apresentando documento de identidade que ele possuía em mãos. Como fizemos uma investigação prévia e conhecíamos o rosto dele, verificamos que se tratava de um documento falso”, afirmou o delegado.

A polícia encontrou vários documentos falsificados, que seriam confeccionados pelo próprio presidiário para abrir e movimentar contas bancárias, além de aplicar golpes de compra e venda de imóveis. Foram apreendidos:

  • Documento de identificação de Primeiro Tenente do Exército brasileiro;
  • Identificação de delegado da Polícia Federal e camisa da PF;
  • Identificação de Investigador da Polícia Civil;
  • Documento de identificação de assessor de secretário estadual;
  • Várias identidades falsas com nomes diferentes;
  • Papéis de Certidão de Nascimento;
  • Carteiras Nacional de Habilitação (CNHs) preenchidas e papéis falsificados para criar novos documentos;
  • Selo de cartório de notas;
  • 2 impressoras e outros materiais para impressão.

O material apreendido será enviado para perícia. O volume de documentos falsos surpreendeu a polícia, segundo o delegado.

“A quantidade e espécie do material encontrado com certeza tratou-se de uma surpresa para equipe de investigação. Quando entramos na residência nos deparamos com essa grande quantidade de apetrechos todos destinados ao crime de falsidade”, comentou o delegado.

As pessoas que foram vítimas dos golpes devem procurar a Polícia Civil para registrar a ocorrência, gerando uma investigação pararela de cada caso. O disque-denúncia do 15° DIP é (92) 99962-4406.

Fonte: G1

Comentários

comentários