‘Estudante’ aplica aplicado ‘golpe da UTI’ em idoso e vai presa

0
212

Uma universitária foi presa nessa terça-feira (30), em Barra do Garças, a 516 km de Cuiabá, suspeita de aplicar um golpe em um idoso. De acordo com a Delegacia de Roubos e Furtos (Derf), Taiana Cristina Meneguetti Sanches, de 20 anos, aplicou um golpe de R$ 2 mil na vítima. Ela confessou o crime à Polícia Civil.
O idoso, de 71 anos, mora em Brasília, no Distrito Federal, e está com o filho internado em um hospital. Taiana aplicou na vítima o chamado “golpe da UTI”, convencendo o homem a depositar o dinheiro dizendo que o filho dele precisava fazer um exame na unidade de saúde.

Segundo a Derf, Taiana não tinha antecedentes criminais e estuda educação física em uma faculdade.
Nesse tipo de golpe, familiares de pacientes internados em hospitais recebem ligações de estelionatários que se passam por médicos ou funcionários de hospitais. Nos contatos, os estelionatários conseguem arrancar dinheiro das famílias dizendo que os pacientes precisam de exames ou procedimentos que exigem mais dinheiro.
Taiana, com a ajuda de outra jovem, identificada como Isis, conseguiu fazer com que o idoso depositasse o dinheiro na conta dela. O filho da vítima está internado na UTI de um hospital em Brasília.

Depois de conseguirem o dinheiro, Isis foi até uma agência bancária onde tentou sacar uma parte, usando o cartão de Taiana. No entanto, o cartão foi bloqueado.
A polícia foi acionada depois que o banco suspeitou que se tratava de um golpe. Isis solicitou que Taiana fosse até o banco para desbloquear o cartão, momento em que Taiana foi surpreendida pela polícia. Isis conseguiu fugir e Taiana foi presa.
Conforme a Derf, Taiana confessou o crime em depoimento. Ela disse que “emprestou” a conta para a colega, sabendo que o dinheiro tinha origem ilícita. A universitária também afirmou que receberia uma parte do dinheiro que tiraram do idoso.

Taiana deve ser apresentada à Justiça em uma audiência de custódia nesta quarta-feira (31). As investigações continuam para localizar a segunda envolvida e outros que integram a associação criminosa que aplica golpes nas famílias de pacientes internados.

Fonte: G1

Comentários

comentários