Ataque: Presidente do Egito apoia vingança das Forças Armadas e da polícia contra terroristas

0
142

Homens atacaram com bombas e armas de fogo a mesquita Al-Rawda, na península do Sinai, no Egito, nesta sexta-feira (24), deixando 235 mortos, segundo a agência Reuters, citando a TV estatal. Outras 125 pessoas ficaram feridas.
Quatro agressores chegaram de carro ao local, onde os fiéis faziam as tradicionais orações de sexta-feira, dia sagrado para os muçulmanos. A mesquita fica na localidade de Bir al-Abed, a cerca de 40 km a oeste de Arish, a principal cidade do norte do Sinai.

O presidente egípcio, Abdel Fattah al Sisi, prometeu uma “resposta brutal” aos agressores em um pronunciamento na TV. “As Forças Armadas e a polícia vingarão nossos mártires e nos devolverão a segurança e a estabilidade com força em muito pouco tempo”, disse o presidente Sisi em um pronunciamento na TV.
Al Sisi convocou uma reunião de segurança de emergência logo após o ataque. O porta-voz do Ministério da Saúde do Egito, Khalid Mujahid, afirmou à TV Masriya que o governo trata o incidente como um ataque terrorista. O governo declarou luto nacional de três dias.
A região é constantemente atacada pelo Estado Islâmico (EI), mas, até o momento, nenhum grupo reivindicou a ação.

A CNN afirma que os terroristas provocaram ao menos duas explosões e, posteriormente, começaram a disparar.
“Eles estavam atirando nas pessoas enquanto elas saíam da mesquita”, disse à Reuters um homem cujos parentes estavam no local. “Eles também atiravam nas ambulâncias”, contou.
De acordo com a agência Efe, que ouviu uma fonte do serviço de segurança do país, ambulâncias chegaram rapidamente ao local. Os feridos foram transferidos para diferentes hospitais em Al Arish e outros para o Hospital Instituto Nasser, no Cairo, segundo a fonte da Efe.
As forças de segurança egípcias estão à procura dos terroristas.

Fonte: G1

Comentários

comentários